Interpretando canções

Adoro utilizar a música Eduardo e Mônica para trabalhar narração, elementos da narrativa, adequação linguística e, principalmente, interpretação. Para isso, gosto de exibir um ou outro dos vídeos que se encontram na seção vídeos aqui do blog (e ao final deste post) e utilizar algumas das questões que encontrei nos links abaixo

1. fernandalima.forumeiros.com/t269-eduardo-e-monica-interpretacao-textual  - Atividades que considerei adequadas para o 2º segmento

pt.scribd.com/doc/39074224/Eduardo-e-Monica-com-exercicios#download - Atividades que considerei adequadas para os anos finais do 2º segmento e para o Ensino Médio.

 

Aqui vai só uma amostra do material:

1- Observe as seguintes falas de Eduardo:

" -Eu não estou legal. Não agüento mais birita".

" -É quase duas, eu vou me ferrar."

 

a)     Qual o significado das palavras destacadas? Bebida alcoólica - dar-se mal

b)  Birita e ferrar são gírias. A utilização desses termos é adequada nesse texto? Por quê?Sim. Eduardo é um adolescente, e tais termos costumam fazer parte de sua forma de falar. As gírias contribuem para a sua caracterização.

c)      De acordo com a norma culta, há um erro de concordância em "É quase duas". O correto seria "São quase duas".. Esse problema de concordância contribui para a caracterização da personagem? Explique.Sim. Mostra que Eduardo não domina a norma culta da língua portuguesa.

d)     Na 9ª estrofe, há o emprego de outras gírias, que significam "tentaram conseguir dinheiro"Batalharam grana, "suportaram bem" Seguraram legal e "situação difícil" Barra pesada. Identifique-as e copie-as.

 

Gostou? Vale a pena conferir os vídeos e as propostas de atividade dos sites. Quero parabenizar as autoras dos exercícios, à vivo - que publicou um clipe muito fiel à

história da canção e à equipe do peixeaquático, que criou uma animação muito divertida, que sempre agrada aos meus alunos.

www.youtube.com/watch?v=K-fCDnDQo88 (Clipe da vivo)

www.youtube.com/watch?v=3LUH8ovUAF0 (Clipe do Peixe aquático)

 

Textos para trabalhar SUBSTANTIVO

 

1º - A terra sem nome

Era uma vez uma coisa onde as coisas não tinham nome. E tudo o que se dizia era uma coisa só.  Quando se ia à coisa em que se compram coisas, veja só que coisa:

— Oi seu fulano! Me dá aquela coisa.

— Qual coisa?

— Aquela coisa que a gente serve para usar a coisa.

— Tem tanta coisa que a gente usa, que coisa você quer?

— Aquela!

— Mas, tem tanta coisa ali!!

— Aquela coisa, que tá junto daquela outra coisa, entre aquela coisa e aquela outra coisa!!!

— Ihh... não tô entendendo coisa nenhuma!!!

— Posso ir lá pegar a coisa?

— É... pode...

— É essa coisa aqui, ó!!

— Ah!! Eu achei que era a outra coisa!

— Quanto custa?

— R$ 2,45.

— Obrigada!

 Se você achou uma coisa de louco, imagina só tentar chamar alguém...

Numa tranquila tarde, senhoras reunidas para um chá:

—    Ô senhora!

—    Quem? Eu?

—    Não! A senhora ali!

—    A ta, eu?

—    Não! Ela!

—    Eu?

—    Eu?!

—    Eu?

—    Não, a senhora!

Um dia, resolveram dar nomes às coisas e cada coisa passou a ter sua identidade, não só as coisas, mas também as pessoas, animais, seres em geral. E a coisa onde as coisas não tinham nome passou a se chamar lugar e aquela coisa onde se compravam coisas ficou conhecida como mercado e as senhoras que tomavam chá passaram a se chamar Maria, Joana, Fátima, Sara...

O que eu ainda não descobri é o nome daquela coisa que serve para usar a coisa! Você sabe o que é? Então me diz porque eu não aguento mais essa curiosidade!!!

http://educartransforma.blogspot.com.br/2011/03/tabalhando-gramatica-de-forma-reflexiva.html

- O texto possibilita a compreensão da importância da classe gramatical em estudo. É interessante promover uma leitura dramatizada. Em seguida, pode-se propor uma brincadeira em que cada aluno receba um nome ou imagem de um substantivo e os demais deverão tentar advinhar. Pode-se, por exemplo, sugerir que façam de três a cinco perguntas ao aluno de quem se quer adivinhar o substantivo. As perguntas devem ser elaboradas oralmente, de maneira que se possa responder apenas "sim" ou "não". Finalizadas as perguntas, os alunos teriam três chances para advinhar o substantivo. Caso já tenham noção das classificações do substantivo, poderão usar também esses conhecimentos nas perguntas (Exemplos de perguntas: É concreto? É composto? Usa-se na cozinha? Custa caro? A gente sente? etc.)

 

2º texto - Circuito fechado

Ricardo Ramos


     Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, telefone, agenda, copo com lápis, caneta, blocos de notas, espátula, pastas, caixa de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo. xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.

 

 

- O texto, todo construído com substantivos, apresenta bastante coerência e possibilita diferentes abordagens.

- Pode-se selecionar as duas primeiras frases e pedir que os alunos acrescentem artigos e adjetivos, por exemplo;

- Pode-se selecionar alguma (s) frase (s) e pedir que sejam acrescentados verbos e advérbios;

- Pode-se, ainda, apresentar alguns contextos para que os alunos escrevam uma sequência de substantivos que remetam a uma sequência lógica de acontecimentos. Exemplos: Uma pescaria, um passeio ao zoológico, nascimento, namoro, primeiro emprego, etc.

 

3º  - Duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz

 

Passarinho na janela, pijama de flanela, brigadeiro de panela.
Gato andando no telhado, cheirinho de mato molhado, disco antigo sem chiado. 
Pão quentinho de manhã, dropes de hortelã, grito do Tarzan.
Tirar a sorte no osso, jogar pedrinha no poço, um cachecol no pescoço.
Papagaio que conversa, pisar em tapete persa, eu te amo e vice-versa.
Vaga-lume aceso na mão, dias quentes de verão, descer pelo corrimão.
Almoço de domingo, revoada de flamingo, herói que fuma cachimbo.
Anãozinho de jardim, lacinho de cetim, terminar o livro assim.

                                                                                                                                  Otávio Roth

 

- Sugestão: Antes da leitura do poema, o professor pode pedir a cada aluno simples que o deixa feliz. Se for o primeiro dia de aula, o aluno poderá antes se apresentar.

- Em seguida, o professor poderá analisar alguns aspectos do poema. Nos três primeiros versos, por exemplo, percebe-se que o autor construiu o poema em torno de substantivos. Há algumas locuções adjetivas (de flanela, de panela, de mato molhado, sem chiado, de hortelã, do Tarzan) e adverbiais (na janela, de manhã) que caracterizam ou localizam os substantivos que, segundo o poema, deixam o eu-lírico feliz. Isso se mantém ao longo de todo o poema, e em alguns versos, o autor apresenta ações simples que também lhe trariam felicidade, utilizando-se de verbos no infinitivo e objetos diretos (Tirar a sorte no osso, jogar pedrinha no poço, pisar em tapete persa, etc.)

- Vale observar que em cada verso há três elementos principais e que a rima se dá dentro de cada verso (rimas internas). Outro detalhe relevante é que cada elemento do verso é independente, ou seja, são três elementos distintos, não há uma ligação ou continuidade entre eles.

- Por fim, pode-se pedir que os alunos criem - individualmente ou em dupla - um verso com uma coisinha simples que traz felicidade. Devem estar atentos para manter a estrutura do poema original. Depois, o professor pode escrever os versos criados no quadro, para que o grupo analise, altere, aperfeiçoe, até que possam considerar o poema finalizado. Então, pode-se confeccionar um cartaz ou até mesmo publicar o texto coletivo em um blog ou rede social.

 

2º - Cornita (Crônica)

- Pai, o que é cornita?
- Como é que se escreve?
- Ce, o, erre, ene, i, te, a.
O pai pensou um pouco. Não podia dizer que não sabia. O garo­to há muito descobrira que o pai não era o homem mais forte do mundo. Precisava mostrar que, pelo menos, não era dos mais burros. Perguntou como é que a palavra estava usada.
- Aqui diz, “a cornita da igreja...” - respondeu o garoto.
- Ah, esse tipo de cornita. É um ornamento, na forma de corno, que fica do lado do altar.
- Pra que que serve?
- Pra, ahn, nada. É um símbolo.
- Ah.

- Pai, usei “cornita” numa redação e a professora disse que a palavra não existe.
- O quê? Mas que professora é essa?
- Ela diz que nunca ouviu falar.
- Pois diga para ela que “cornita”, embora não faça mais parte da arquitetura canônica, era muito usada nas igrejas medievais.
-Tá.

- Pai, a professora continua dizendo que “cornita” não existe. E diz que também não se diz “arquitetura canônica”.
- Preciso ter uma conversa com essa professora. Essa edu­cação de hoje...

- Não quero discutir com a senhora. Mas também não quero ver meu filho duvidando do próprio pai. Para começar, minha senhora, aqui está o livro que meu filho estava lendo. E aqui está a palavra. “Cornita”.
- Deixe eu ver. Obviamente, era para ser “cornija”. É um erro de imprensa.
- O quê?
- Um erro de revisão. “Cornija”. Ornamentação muito usada na arquitetura antiga. “Cornita” não existe.
- Pai, vamos pra casa... .
- Um momentinho. Um momentinho! Claro que eu sei o que é “cornija”. Mas existem as duas palavras. “Cornija” e “cornita”. Duas coisas completamente diferentes.
- Então me mostre “cornita” no dicionário.
- Ora, no dicionário. E a senhora ainda confia nos nossos dicionários?
- Pai, vamos embora...

- O que é isto, pai?
- Um pequeno tratado que fiz para a sua professora, aquela mula, ler. Dezessete páginas. Pouca coisa. Nele, traço desde a origem etimológica da palavra “cornita”, no sânscrito, até a sua sim­bologia no ritual da Igreja antes do concílio de Trento, incluindo o número de vezes em que o termo aparece na obra de Vouchard de Mesquieu sobre a arquitetura canônica. E sublinhei “arquitetura canônica”, para a mula aprender a jamais desmentir um pai.
- Certo, pai.

- Pai....
- O que é?
- A professora leu o seu tratado.
- E então?
- Mandou pedir desculpas. Diz que o senhor é um homem muito etudito.
- Erudito.
- Erudito. Mandou pedir desculpas. A burra era ela.
- Está bem, meu filho. Pelo menos agora ela sabe com quem está tratando.
Valera a pena. Valera até as noites perdidas inventando os dados do tratado. Sabia que acabaria convencendo a mulher com um ataque maciço de erudição, mesmo falsa. Vouchard de Mesquieu. Aquele fora o golpe de mestre. Vouchard de Mesquieu. Perdera uma hora só para encontrar o nome certo. Mas estava redimido.

Luis Fernando Veríssimo

 

- Adoro esse texto! Encenei junto com alunos do ensino noturno e foi muito legal! É um texto interessante para introduzir o estudo do substantivo. Além disso, permite um interessante debate sobre como aceitar que não sabemos de tudo ou sobre como o domínio da palavra e o poder do convencimento podem ser definitivos para convencermos o receptor de nossa mensagem.

 

Indicado do 3º ao 6º ano de escolaridade.

 

O preço de um cheiro

 

Um camponês foi à cidade vender seus produtos. Ao regressar, parou em uma pousada para descansar.

— O que deseja? — perguntou o dono, solícito.

— Um pouco de pão e vinho, por favor. Enquanto o dono atendia ao seu pedido, o camponês passou a observar o local. Havia no fogo uma carne que exalava um aroma    irresistível. Ele ficou com vontade de saborear o assado, mas não tinha tanto dinheiro...

Depois de um momento o dono da pousada voltou para trazer-lhe o pão e o vinho. O camponês bebeu o vinho, mas seus olhos não desgrudavam da carne suculenta. De repente, ele teve uma idéia: colocar o pão no vapor que subia do assado, para umedecê-lo. No momento em que ia experimentar o pão, foi interrompido por um grito:

— Você se acha muito esperto, não é? — disse o dono, zangado. — Terá de me pagar por isso também!

— Eu não lhe devo nada além do pão e do vinho — disse o camponês surpreso.

— E o cheiro da carne, não custa? — retrucou o dono, zangado.

— O cheiro da carne? — repetiu o camponês, espantado.

— Mas isso não custa nada!

— Como não custa nada? Tudo o que existe aqui é meu, inclusive o cheiro do assado!

A discussão chamou a tenção de um freguês.

— Quanto você quer pelo cheiro do assado?

— Cinco moedas! — disse o dono, satisfeito.

—Tenha dó! — exclamou o camponês, tirando o dinheiro do bolso. — Isso é tudo que eu ganhei por um dia de trabalho...

O freguês pegou as moedas do camponês e sacudiu-as diante de todos.

— Ouviu isso? Pronto! Já está pago.

— Como assim, já está pago? — admirou-se o dono.

— Por acaso este pobre camponês comeu a carne? Não! Apenas sentiu o cheiro do assado. Para pagar pelo cheiro do assado basta o som moedas!

Diante da risada geral, o dono da pousada ficou sem razão e concordou em não cobrar nada do camponês. E pior: ainda fez papel de bobo!

Conto popular

 

 

1) Assinale a frase que apresenta o mesmo sentido de:
“A carne exalava um aroma irresistível.”
(    )    A carne liberava um cheiro estranho.
(    )    A carne liberava um odor insuportável.
(    )    A carne liberava um odor agradável a que não se podia resistir.

 

2) O    dono da pousada perguntou solícito: “O que deseja?”
Sabendo que solícito significa prestativo, prestimoso, pronto para servir, assinale o tom de voz que ele usou.
(  ) áspero
(    ) rude
(   ) educado
(   ) grosseiro

 

3) Numere os fatos na ordem em que aconteceram.
(    )  O freguês explica que o camponês pode pagar o cheiro com o barulho das moedas.
(    )  O dono da pousada cobra pelo cheiro da carne e o camponês se recusa a pagá-lo.
(    )  O camponês coloca seu pão no vapor que sobe da carne.
(    )  Um freguês ouve a conversa entre os dois homens e sacode as moedas do camponês.
(    )  O camponês sente cheiro de carne assada.

 

4) a) É correto pagarmos pelo cheiro de algum alimento? Justifique.
     b) E pelo aroma de um perfume, quando devemos pagar?

 

5) Com base no texto, faça um comentário sobre a atitude tomada pelo freguês que assistia à discussão do dono da pousada com o camponês

 

6) Escreva ao lado de cada ação a que personagem se refere. 

 

Defendeu o camponês 

Atendeu o camponês 

Chacoalhou as moedas 

Colocou o pão no vapor 

Cobrou pelo cheiro 

Bebeu o vinho 

 

7) Passe o 6º parágrafo para o plural. 

http://www.escolasaopaulo.com.br/pdfs/esp16.pdf

 

 

  • As atividades abaixo podem ser desenvolvidas com os tradicionais contos de fada infantis, com fábulas, crônicas ou outros textos narrativos.

 

Conto de fadas para Mulheres do Século 21

1ª atividade: Veja só que confusão! O texto abaixo foi separado em várias partes e agora elas se misturaram. Sua tarefa é colocá-lo em ordem.

 

Conto de fadas para mulheres do século 21

 

(Luís Fernando Veríssimo)

 

Então, a rã pulou para o seu colo e disse:

─ Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas, uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir um lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavarias as minhas roupas, criarias os nossos filhos e viveríamos felizes para sempre...

 

E então, naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã à sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava: 'Nem mor... ta!'.

 

Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa, independente e cheia de autoestima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã.

 

2ª atividade:  Imagine que você é um jornalista de uma revista e foi escalado para entrevistar um dos personagens da história que você acaba de ler.

Escolha o personagem e elabore as perguntas para a sua entrevista. Depois, escolha um colega para respondê-las como se fosse o personagem escolhido.

 

3º atividade:  Com as respostas obtidas, escreva um texto sobre o personagem, descrevendo-o e contando um pouco sobre sua vida.

 

Professor, nesse texto temos apenas dois personagens. As atividades podem, portanto,  ser direcionadas para a personagem principal, aproveitando-se para discutir a questão de gênero, o papel da mulher na sociedade moderna, o preconceito etc.

 

Produção de texto a partir da observação de imagem

 

Observe atentamente a figura e pense nas seguintes questões antes de escrever sua história:

- Que sentimentos essa imagem lhe transmite?

- Quem é esse menino?

- Qual a sua idade?

- Como ele está vestido?

- Por que ele está descalço e debruçado sobre a janela de um carro?

- Onde e como ele vive?

- Quais seus desejos e anseios?

 

Agora, escreva um texto em 1ª pessoa em que essa criança se descreva física e psicologicamente e conte um pouco de sua vida.

Interpretação de texto

Continho

 

Era uma vez um menino triste, magro e barrigudinho, do sertão de Pernambuco. Na soalheira danada de meio-dia, ele estava sentado na poeira do caminho, imaginando bobagem, quando passou um gordo vigário a cavalo:

_ Você aí, menino, para onde vai essa estrada?

_ Ela não vai não: nós é que vamos nela.

_ Engraçadinho duma figa! Como se chama?

_ Eu não me chamo não, os outros é que me chamam de Zé.

(Paulo Mendes Campos. Crônica 1. São Paulo: Ática, 2002.p.76)

 

1 – Ao copiar o texto, escolha um título para o conto.

2 – O texto é narrativo. Por que é possível fazer essa afirmação?

3 – Que tipo de narrador conta a história?

4 – Que palavras nos permitem descobrir o foco narrativo escolhido para narrar o continho?

5 – Quais são os personagens da história?

6 – Que tempo verbal foi utilizado pelo narrador? O que isso indica?

7 – Nos diálogos foi utilizado o mesmo tempo verbal? Justifique.

8 – Em que ambiente se passam as cenas?

9 – No texto foi utilizado o discurso direto ou indireto? Explique.

10 – Reescreva o conto alterando o discurso usado pelo narrador.

11– Transforme o texto em uma história em quadrinhos.

 

Atividade que envolve interpretação, raciocínio e interpretação.

Muito legal!!!

 

DESAFIO

Você é um gênio? Ótimo! Então descubra o ladrão.

 

A Alfândega do aeroporto de São Paulo barrou cinco passageiros que iam viajar para o exterior. Um deles estava disfarçado. Ele usava um nome falso porque estava sendo procurado pela polícia. Os outros quatro passageiros eram profissionais em viagens de negócios. Observe as fotos dos passaportes, leia as pistas e descubra o ladrão.

1. Um dos passageiros está disfarçado e é o ladrão procurado pela polícia.

2. O advogado tem nariz grande, barba e bigode. Usa boné e não está sorrindo.

3. O médico está próximo ao cientista.

4. O pintor tem nariz grande, barba e bigode. Usa boné e está sorrindo.

5. O cientista tem nariz grande, barba e bigode. Não usa boné e não está sorrindo.

 

Quem é o ladrão?

 

A partir da atividade, pode-se pedir aos alunos que criem individual ou coletivamente, a história desse ladrão. Como roteiro para auxiliaf na produção podem ser sugeridas os seguintes questionamentos:

 

Quem é esse ladrão? (Pode-se trabalhar a descrição física e psicológica)

Onde e como vive?

O que roubou?

Onde aconteceu o roubo?

Como foi o assalto?

Quem testemunhou?

Por que ele estava tentando viajar para o exterior?

Como ele foi descoberto?

Ele foi preso?

Como foi o desfecho da história?

 

Produção textual

Atividade indicada para o 2º segmento do Ensino Fundamental

Gênero textual: Tirinha

 

1. Observe a tira e, depois, responda ao que se pede:

 

 

a) De acordo com a norma padrão, que aprendemos na escola, como deveríamos escrever as palavras e expressões “pru que, ocê, tomá, faz mar”? .......................................................................................................................................................

b) Por que o autor da tirinha escreveu dessa forma tais palavras?......................

…..................................................................................................................................................................

c) A tira é engraçada porque Zé Lelé faz confusão com os sentidos de uma palavra. Que palavra é essa e que confusão o personagem faz? ................................................................................................................................................................

.......................................................................................................................................................................

.......................................................................................................................................................................

.......................................................................................................................................................................

d) O par de vocábulos em questão apresente a mesma pronúncia e a mesma escrita, porém significados distintos. Escreva duas frases em que duas palavras apresentem essa característica: idênticas na escrita e na pronúncia, porém com significados completamente diferentes.

….....................................................................................................................................................................

...........................................................................................................................................................................

e) Há palavras que apresentam a mesma pronúncia e significados diferentes e outras, ainda, que são muito parecidas na escrita e na pronúncia. Nas frases abaixo, utilize a palavra em parênteses que completa corretamente cada frase. Se necessário, consulte um dicionário.

a) Havia uma ....................................... na bandeja. (nós – noz)

b) Em quanto ficou o .............................................. da TV? (concerto – conserto)

c) Os peixes ............................................. e estão boiando. (emergiram – imergiram)

d)................................ os olhos e adormeceu. (serrou – cerrou)

e) O preso encontra-se na ......................................... ao lado. (cela – sela)

f) Muitos perdem o ...................................... da realidade. (censo – senso)

g) Transmita-lhe meus .......................................................... (comprimento – cumprimento)

h) O motoqueiro .................................................as normas do trânsito. (infligiu – infringiu)

 

2. No Brasil, são muitos os costumes antigos que são passados de pais para filhos, tais como a superstição que afirma que tomar leite e, em seguida, chupar manga faz mal. Escreva um texto narrativo, na primeira pessoa, em que apareçam algumas superstições que você conhece. Em seu texto deverão aparecer todos os personagens abaixo:

 

Dona Firmina (avó centenária muito sábia)

Setembrino (adolescente rebelde que detesta o nome que herdou do avô)

Clodoaldo (vizinho mexeriqueiro que se mete na vida de todo mundo)

Alice (adorável filha de Clodoaldo).

 

Obs.: O narrador deverá obrigatoriamente ser um desses personagens.

Avaliação aplicada em turmas de 7ª e 8ª séries - Produção textual

Gênero textual: Conto

 

Leia a seguir um fragmento de conto:

Em dezembro

“Em dezembro mangas maduras eram vistas da janela – mas antes disso já tínhamos comido muita manga verde com sal, tirado escondido da cozinha. [...]

— Quem comeu manga verde? Vamos, confessa, já. Nenhum confessava: os dois de castigo.

Mostrei para Neusa a manga amoitada no capim: começava a amarelar. Ela cheirou, apertou contra o rosto, me pediu.

— Dou um pedaço.

— Quero a manga inteira.

— A manga inteira não. Um pedaço. [...]

— A manga inteira ou nada.

— Então nada.

Quando entrei na cozinha, Vovó estava me esperando:

— Pode ir direto para o quarto, já sei de tudo. Fiquei fechado de castigo até a hora da janta.

— Se tornar a comer manga verde, da próxima vez vai apanhar é de vara, ouviu?

Quem apanhou de vara foi Neusa. Cerquei-a no fundo do quintal com uma vara:

— Você enredou, agora vai pagar. [...]

Ela pediu pelo amor de Deus. Perguntei se ela gostava de mim. Ela disse que gostava. Pedi para ela dizer: ‘Eu te amo.’ Ela disse. [...] Eu falei que era mentira, que ela gostava é de Marcelo. Então ela disse que era mentira mesmo, que tinha é nojo de mim, e eu desci uma varada nas pernas dela. Em vez de correr, ela ficou parada, encolhida contra o muro [...].

— Pede perdão, senão eu bato de novo! [...]

Ameacei com a vara, mas ela só chorava. Então bati de novo, e dessa vez ela nem se mexeu, como se não tivesse sentido dor. Foi andando em direção a casa, e eu fiquei parado, vendo-a afastar-se. [...]

Ao voltar para casa, deixei três moranguinhos na mesinha do quarto onde ela, deitada, havia adormecido.

No dia seguinte recebi uma caixinha embrulhada — dentro os três moranguinhos e um bilhete: ‘Eu gostava é de você mesmo, mas agora nunca mais’.”

 

VILELA, Luiz. Contos da infância e da adolescência. São

Paulo: Ática, 2001.

 

Luiz Vilela nasceu em Minas Gerais, em 1942. Desde menino, lia muito. Então, um dia, depois de ler tantas histórias, resolveu tornar-se um escritor: começou a escrever aos 13 anos. Sua obra é composta por mais de 15 livros, entre novelas, romances e coletâneas de contos. Em entrevista, afirmou: “Meus livros são o melhor de mim, são a marca de minha passagem pela Terra, o meu nome escrito a canivete no tronco da grande árvore da vida”.

 

1 - O texto acima é o fragmento de um conto narrado em (?). O narrador é o (?), isto é, a personagem principal da história: ele participa ativamente dos acontecimentos e é de seu ponto de vista que tudo é observado e narrado. Chamamos esse tipo de narrador de(?).

As palavras que completam corretamente a afirmação acima são:

a) 1ª pessoa, antagonista, narrador-observador

b) 2ª pessoa, protagonista, narrador-personagem

c) 3ª pessoa, secundário, narrador-observador

d) 1ª pessoa, protagonista, narrador-personagem

e) 3ª pessoa, protagonista, narrador-personagem

 

2 - Que marcas gramaticais permitem dizer em que pessoa um texto é narrado? Retire 3 exemplos do texto lido.

______________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________

 

3 - Transcreva uma frase ou expressão que revelem impressões do narrador.______________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

 

4 - Reescreva o parágrafo sublinhado, alterando o foco narrativo.

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

 

5 - Na maior parte de suas falas, o autor utiliza os verbos no tempo (?), pois está narrando fatos que (?). Já o tempo verbal utilizados nas falas dos personagens é o (?), já que se referem a fatos que (?).

 

a) presente, estão acontecendo, pretérito, já aconteceram.

b) pretérito, já aconteceram, presente, estão acontecendo.

c ) futuro, irão acontecer, presente, estão acontecendo.

d) presente, já aconteceram, pretérito, estão acontecendo.

e) pretérito, estão acontecendo, futuro, irão acontecer.

 

6 - Além dos verbos, há outras maneiras de marcar o tempo em uma narrativa. Localize, no texto, uma palavra ou expressão que indiquem tempo decorrido na narrativa.

____________________________________________________

 

7 - Nesse conto, o narrador tem acesso aos pensamentos e emoções das outras personagens?__________________________

 

a) Em que momento o narrador descobre os verdadeiros sentimentos de Neusa em relação a ele?

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

b) Em sua opinião, por que ele não acreditou quando ela disse, no quintal, que gostava dele?

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

8 – No texto predomina o discurso direto ou indireto? Justifique

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

 

9 – Reescreva o trecho abaixo, modificando o discurso utilizado pelo narrador:

 

Quando entrei na cozinha, Vovó estava me esperando:

— Pode ir direto para o quarto, já sei de tudo. Fiquei fechado de castigo até a hora da janta.

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________________________________

 

10 - Supondo que o narrador também gostasse de Neusa, imagine o que ele sentiu ao ler bilhete. Escreva um diálogo em que o menino procure a amiga e tente resolver essa situação. Seu texto deverá ter, no mínimo, 15 linhas e estar adequadamente pontuado.

Adoro trabalhar esse poema!

Gênero textual: Poema (lírico)

 

Drama

 

Eu sei que ela é como eu.

Afinal, a gente se conhece

desde o dia em que nasceu.

Pai vizinho, mãe comadre,

mesma rua, mesma infância,

mesma turma, mesma escola.

 

Eu sei que ela é como eu.

Brinquedos e jogos iguais,

passeios de bicicleta,

aventuras de quarteirão.

Repartidas descobertas,

segredos a quatro mãos.

 

Eu sei que ela é como eu.

E sei também, por saber

de idéia e de coração,

que por mais que ela disfarce

gosta de mim pra valer,

não como amiga ou irmã.

 

Então por que (eu pergunto)

faz de conta não querer

ser a minha namorada?

 

Sendo assim tão como eu

não é justo me trocar

por um idiota grandão,

só porque eu não sou mais velho

do que a nossa emoção.

Carlos Queiroz Telles

 

 

a) Sobre o que fala o poema?

b) Quantos anos você acha que tem o eu-lírico (a voz que fala no poema)? Justifique.

c) Que frase é repetida em várias estrofes? Por que você acha que isso acontece?

d) Os personagens do poema são namorados? Como você percebeu?

e) Você já gostou de alguém que não gostava de você? Como se sentiu?

f) A pessoa sabia de seu sentimento?

g) Que conselho você daria para o menino do poema?

h) Coloque-se no lugar deste menino e escreva uma carta de amor tentando conquistar o coração da garota amada. Ilustre-a com capricho.

Indicada para turmas das séries finais do 1º segmento e iniciais do 2º.

Gênero textual: Fábula

Aluno (a): ______________________________________        Nº_____                Turma: __________

 

A descoberta

 

            Estavam os dois caçadores bem no centro da África, quando, por trás de uma colina, de dentro de uma gruta, da escuridão de uma mata, do seio de uma grota, surgiu um tigre de dentes de sabre.

            ̶  Um animal pré-histórico! O mais terrível e o mais precioso dos animais pré-históricos! Que vamos fazer? ̶   disse um dos caçadores.

            ̶   Vamos fazer o seguinte – sugeriu o outro caçador, preparando-se para correr – Você fica aqui e aguenta o bicho, que eu vou espalhar a notícia pela África inteira.

Millôr Fernandes, Fábulas Fabulosas, Rio de Janeiro: Nórdica, 1991

 

1) Após ler o texto, responda atentamente às questões propostas:

a) Há quantos personagens no texto? ___________________________________________________________________

b) Em que local se passa a história?____________________________________________________________________

c) Se a sugestão dada pelo outro caçador fosse aceita, o que você acha que aconteceria?

___________________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________

d) Você teria aceitado aquela proposta? _________________________________________________________________

e) Que resposta que você daria ao outro caçador Escreva-a usando a pontuação adequada em um  diálogo.

___________________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________

f) Para que foi utilizado o travessão no início do segundo e do terceiro parágrafos?

__________________________________________________________________________________________________

g) Em qual parágrafo encontramos frases exclamativas e interrogativas?_______________________________________

 

2) No último parágrafo, além do travessão que inicia a fala do personagem, há outros dois que servem para:

(__) Indicar o início da fala do outro caçador.

(__) Introduzir um comentário do narrador entre as falas do personagem.

(__) Apresentar um pensamento de um dos personagens da história.

 

3) Imagine que você é um dos personagens da história e está contando a um amigo tudo o que aconteceu naquele dia. Reescreva a história na 1ª pessoa e complete-a contando como tudo terminou.

 

_______________________________________________________________________

 

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Primeiras produções

Esse roteiro pode ser muito útil para os primeiros trabalhos com produção textual em turmas de 2ª a 5ª série. O uso de roteiros nas primeiras produções auxilia o aluno a organizar o texto em parágrafos e lhe confere maior segurança.

 

Adoro Luís Fernando Veríssimo!!!

Usei esta atividade em minhas turmas do 2º segmento do Ensino Fundamental (5ª série). Nas turmas mais avançadas usei apenas o texto e solicitei pesquisas sobre as personalidades citadas (Neruda, Bilac, Fernando Henrique Cardoso) para que descobrissem de quem se tratava e qual a importância de cada um em sua área de atuação. Pedi também que pesquisassem a relação entre Fernando Henrique Cardoso e o PT, citados no poema, justificando o espanto de um dos personagens diante do elogio feito pelo outro.

Gênero textual: Crônica

RIMAS

 

    O homem chegou em casa assustado:

    - Está por toda a cidade, é uma sina: todo mundo falando em rima.

    - O quê? - perguntou a mulher.

    - Uma compulsão, um vírus, algo no ar. Não diz mais nada sem rimar.

    - Que absurdo - disse a mulher - um vírus da rima, ninguém é obrigado a falar o que não quer, seja homem ou mulher. Nenhuma lei... meu Deus, peguei!

    - É na rua, é em casa, é em todo lugar. Não se fala sem rimar.

    - Mas é uma barbaridade, ser poeta contra a vontade!

    - Concordo, é um absurdo. Mas o que fazer?   Estou confuso.

    - Só há um jeito de se rebelar, resistir e não rimar...

    - Como?

    - Não falar.

    - Mas como nos comunicaremos, se não com as vozes que temos?

    - Escrevendo, por que não? Ninguém manda em nossa mão.

    - Sei não, será que muda? E se eu escrever como o Neruda?

    - Não é hora pra chilique. Pegue um papel, e olha a Bic.

    O homem experimenta escrever uma frase no papel. Depois recua, horrorizado.

    - Estou quase tendo um ataque. Escrevi como o Bilac!

    - Será uma coisa generalizada, que atingiu ate a empregada?

    - Vamos ver se e' ou não e'. Chame a Nazaré'.

A mulher chama a empregada.

    - Nazaré, vem aqui um minutinho?

    - Já vou indo um instantinho. Estou fazendo ensopadinho.

    O homem e a mulher se abraçam. É uma epidemia. A rima tomou conta do país. Mas por quê?      O homem tenta racionalizar.

    - Tem que haver uma razão, um motivo, uma explicação.

    - Será que, de repente, tem a ver com o presidente?

    - Você quer dizer o Maravilhoso...

    - Quê?

    -...Fernando Henrique Cardoso?

    - O Cardoso, Maravilhoso? Me admira você, que votou no PT!

    - Você não esta entendendo? Eu não sei o que estou dizendo!

    - Calma, não se apoquente. Fale outra vez, pausadamente.

    O homem faz um esforço, mas não consegue.

    - Maravilhoso. Fernando. Henrique. Cardoso.

    - Tente outra rima, com urgência critica. Quem sabe 'horroroso', por uma questão de coerência política?

    - Não consigo, não vê? Tente você!

    - O...

    - Sim?

    - Esplendoro...

    - Não!

    - Fernando Henrique Cardoso.

    - Já vi, é uma perfídia. Tudo culpa da mídia. Nós não estamos enfeitiçados, estamos é condicionados.

    - Há uma rima oficial no país. Ninguém mais controla o que diz.

    - Quem variar é exótico, até impatriótico.

    - Paciência, relaxemos. Isso passa, esperemos...

    - Eu ate diria assim: rima melhor quem rima no fim.

     Aparece a Nazaré na porta da cozinha.

    - A senhora chamou? Aqui estou.

    - Nada, nada, Nazaré. O ensopadinho, de que é?

    - De vitela cortadinha. Batata, vagem e cebolinha.

    - Parece uma beleza, pode botar na mesa.

  Luiz Fernando Veríssimo

 

1. O texto que você leu foi escrito em prosa, isto é, dividido em parágrafos. Nele há personagens que dialogam. Quem são eles?

______________________________________________________________________________________________________________________________

2. O homem chega em casa muito aflito. Qual o motivo de tanta preocupação?

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

3. Olavo Bilac foi um grande poeta brasileiro que se preocupava em fazer poemas belos, com muita rima e perfeição. Por que o homem se compara a Bilac?

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

4. Segundo o texto, apenas aquela família estava sofrendo a epidemia de rima? Copie um trecho que comprove sua resposta.

______________________________________________________________________________________________________________________________

5. Por que a palavra Bic foi escrita com letra maiúscula?

______________________________________________________________________________________________________________________________

6. Localize, no texto, 10 pares de palavras que rimam.

Ensino Fundamental - 1º segmento

Gênero textual: Quadrinho

Excelente para se trabalhar a produção textual tendo como tema o Meio Ambiente: